Não entendo porque a minha criança é tão difícil !?

Desenho de kto art

Este é um texto de Naomi Toma  aqui traduzido de forma livre por Parentalidade Digital.

Embora possa ser “cómodo” colocar um rótulo, precisamos reaprender que não há criança realmente difícil.

A infância (quando não há situações de trauma) normalmente é naturalmente flexível, aberta ao espanto e pronta para receber opções.

Se lidar com um menino ou menina parece difícil, é muito provável que o difícil não seja o caráter dele, mas as circunstâncias em que ele cresceu ou a maneira como aprendeu a se relacionar com outras pessoas e / ou adultos.

Imagine o quão difícil pode ser para uma criança crescer longe de seus pais quando ambos trabalham, ou para ser sempre apressada, criticada (ou gritada!) Ou simplesmente para se sentir pouco ouvida no mundo adulto.

Em vez de atender a essas procuras de amor, nós, adultos, tendemos a focar no nosso desconforto, rotulá-las de difíceis, obstruindo o seu desenvolvimento livre e autêntico, afastando-nos delas, em vez de nos aproximarmos e conhecê-las um pouco mais com disposição e paciência.

Vamos tentar não classificar as crianças, porque corremos o risco delas se tornarem o que dizemos sobre elas. Vamos tratar as crianças como crianças, seres humanos com grande potencial e compreensão, mas que ainda não são adultos e que, portanto, precisam de nós e de nosso acompanhamento persistente para se sentirem seguras e motivadas a ‘comportar-se bem’.

Então, qual é a dificuldade de uma criança? É claro que não é fácil, mas cabe a nós optar por passar o dia exigindo ou renegando, ou pelo contrário, cultivando a calma para entender que, se uma criança se comporta de uma certa maneira (que os adultos classificam como negativa: birra, não ser capaz de ficar quieto ou silencioso etc.) é porque existe uma necessidade ou um sofrimento real por trás.

Não vamos ignorar ou sentenciar esses sinais, vamos tomá-los como a oportunidade de procurar maneiras novas e mais carinhosas de se relacionar.

Siga-nos no Facebook