Não fale com os seus filhos sobre sexo

7507
views
Casal de mão dadas

Li este artigo na Parent Co. e, apesar de ser escrito para uma realidade diferente da nossa, tem várias ideias muito interessantes sobre como devemos falar de relacionamentos com os nossos filhos.

Publicidade

Não fale com os seus filhos sobre sexo

Questiona-se sobre o momento certo para conversar com o seu filho sobre sexo? Pesquisas recentes têm algumas recomendações para si: não o faça. Não fale com o seu filho sobre sexo. Em vez disso, fale sobre os relacionamentos. Fale sobre o romance. Fale sobre o relacionamento saudável, fale sobre o respeito mútuo e, principalmente, fale sobre o consentimento.

Falar sobre sexo? Não parece estar a resultar. Por isso não o faça!

Eu disse: “Ei, o que se está a passar?”

A maioria da educação sexual nas escolas é baseada em contracepção, gravidez e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. O problema é que esses programas não respondem aos tipos de perguntas que as crianças da escola têm sobre o sexo e sobre relacionamentos. Os programas assumem que as meninas são as porteiras do sexo e direcionam as lições para elas. Eles subestimam a capacidade emocional e o interesse dos rapazes e, para dizer a verdade, esses programas simplesmente não estão a resultar.

Nos EUA, 66 por cento dos jovens entre os 12 e os 25 anos afirmam lamentar a sua primeira experiência sexual. No entanto, na Holanda (proprietários orgulhosos de um programa de educação sexual baseado em relacionamento que começa aos quatro anos), a mesma faixa etária relatou primeiras experiências “pretendidas e divertidas”.

Curiosamente, os estados que executam programas de educação sexual baseados na abstinência têm a taxa mais alta de gravidezes adolescentes.

Quando nos concentramos nos factos em torno do sexo, estamos a esquecer da componente dos relacionamentos. Os adolescentes estão confusos sobre relacionamentos e sexo, e eles não estão a encontrar as respostas na sala de aula. É aí que os pais podem intervir, mas não é a ter “a tal conversa”. Devem ter muitas conversas e tenham-nas cedo e muitas vezes.

Publicidade

Os rapazes só se preocupam com uma coisa

É romance? Ou são mulheres nuas? A pesquisa diz que é: conexão!. Todos estamos conscientes do estereótipo culturalmente aceite do adolescente obcecado pelo sexo: o rapaz que coloca os seus amigos no centro do seu mundo e usa e descarta parceiros sexuais como copos de plástico. Essa noção de masculinidade tóxica presta aos rapazes adolescentes um péssimo serviço. Enquanto que alguns até poderão estar interessados em viver nesse padrão lamentável, a pesquisa sugere que a maioria dos rapazes adolescentes precisam e querem informações sobre relacionamentos, muito mais do que querem dicas sobre como engatar uma rapariga.

Um estudo realizado a 105 rapazes do 10 º ano descobriu que a grande maioria preferia e procurava relacionamentos sérios ao invés de actividade sexual. Estes resultados da pesquisa parecem ser consistentes ao longo da vida, com um estudo abrangente sobre adultos que descobriu que o comportamento sexual mais procurado era o romance e o carinho . Esses comportamentos mais procurados incluíam coisas como beijar, abraçar e dizer coisas carinhosas um ao outro.

A suposição de que os rapazes só se preocupam com o sexo torna invisível, nas discussões, a componente emocional dos relacionamentos. E afinal, esta é a informação que eles realmente querem e definitivamente precisam. O que nos leva a uma questão: onde é que eles estão realmente a ir buscar as suas informações?

Eles descobrirão através dos seus amigos

Os rapazes já sabem tudo sobre sexo, certo? Eles aprendem com os seus amigos (que também sabem tudo, certo?), e através da sociedade em geral, e às vezes até através da pornografia. O problema com as suas fontes actuais de informação é que seus amigos são relativamente ignorante sobre o assunto, a sociedade não possui a profundidade necessária para navegar pelas águas turvas da sexualidade positiva, e a pornografia raramente retrata relacionamentos sexuais saudáveis. Todas essas fontes de informação são inadequadas e podem reforçar os estereótipos negativos em relação aos rapazes adolescentes.

Publicidade

E sobre,(engolir em seco), pornografia?

A pornografia é uma má professora de relacionamentos. Mesmo que os rapazes usem linguagem sexualizada, isso não significa que eles entendem a sexualidade ou que eles tenham as ferramentas para lidar com isso.

Quando os rapazes não são levados a sério pelos adultos, eles não falam, mesmo que as suas preocupações em relação ao sexo ainda estejam lá. Os adolescentes sabem que não estão a receber a informação que querem; O que eles precisam é  dos pais para preencher esse papel. Os pais precisam de conversar com seus rapazes, e a adolescência é muito distante para que os rapazes aprendam só ai sobre relacionamentos saudáveis ​​e sexualidade. Essa conversa deve começar cedo, com a expectativa de que os meninos sejam capazes de ter uma vida emocionalmente rica e fazer boas escolhas. Isso não significa falar com um filho de quatro anos sobre sexo, mas sim sobre amor e relacionamentos.

“Quando duas pessoas se amam muito …”

Torna-se mais fácil falar sobre sexualidade quando se pensa no amor como base disso. Falar sobre como mostramos uns aos outros amor todos os dias pode ser um excelente iniciador de conversas. Colocar às suas crianças perguntas como: “O que te faz sentir amado?” e “Como tu podes ser um bom amigo?” pode ajudá-los a tomar boas decisões de relacionamento mais tarde na vida.

A resolução de problemas e a capacidade de tomada de decisão são iminentemente transferíveis. Ao aprender essas habilidades no início da vida, as crianças já estão no bom caminho para tomar decisões românticas e sexuais saudáveis. Fale sobre quais os tipos de intimidade que fazem você sentir-se seguro e quais os tipos que não. Fale sobre ter sentimentos e quão fantástico é ser um homem e ser emocional. Fale sobre o que significa consentimento e como eles os podem praticar. Modelo de consentimento com os seus filhos: ao brincar de wrestling ou fazer cócegas, certifique-se de que tem um “Sim” completo do seu filho, e não apenas a falta de um “Não”.

Os pais também podem servir de exemplo nos relacionamentos e servir de exemplo no respeito pelos corpos e emoções das outras pessoas. Ao ganhar uma consciência dos seus próprios limites e dos tipos de amizades que eles valorizam, os rapazes podem usar essas capacidades de tomada de decisão quando começam a entrar no mundo dos relacionamentos românticos.

Os rapazes adolescentes são inerentemente capazes de ter relacionamentos ricos e mutuamente gratificantes. Eles querem saber sobre o amor, eles querem saber como mostrar amor e como ser amado de forma saudável. Quando os rapazes sabem que podem falar sobre os seus sentimentos, eles falam!

Eles também estão conscientes de que suas fontes actuais de informações estão a falhar. É aqui que pais e cuidadores podem avançar. Falar com os rapazes sobre sexo raramente envolve falar com rapazes sobre sexo. Em vez disso, fale com os seus filhos sobre o amor, é isso que eles realmente estão à procura.

Traduzido e adaptado por Parentalidade Digital. Podem encontrar o original aqui:

https://www.mother.ly/parenting/dont-talk-to-your-sons-about-sex-talk-about-this-instead

 

Siga-nos no Facebook